icon-emailicon-facebookicon-instagramicon-nexticon-playicon-previcon-twitter
Fetrafi-MG CUT Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro

NOTÍCIAS

14/04/2020
CAIXA 100% pública mostra sua importância durante a crise

A importância de bancos públicos fortes para o desenvolvimento do Brasil fica cada vez mais clara durante a pandemia do novo coronavírus. O pagamento do Auxílio Emergencial pela CAIXA a milhões de brasileiros já é considerado a maior operação de pagamento de benefícios e bancarização da história do país.

Mesmo sob ataques e ameaças de desmonte nos últimos anos, a CAIXA segue na linha de frente para assegurar um alívio financeiro aos brasileiros. Empregadas e empregados se esforçam, diariamente, seja nos setores de tecnologia, nos departamentos ou no atendimento presencial nas agências, para fazer cumprir o importante papel social do banco.

Com o trabalho de bancárias e bancários da CAIXA, o banco intensificou seus canais digitais e criou um aplicativo específico para o pagamento do auxílio emergencial. A medida visa evitar que a população se encaminhe para as agências e garantir que o dinheiro chegue a todos os que se enquadram nos critérios do auxílio.

Os números não deixam dúvidas sobre o tamanho da operação: no período de pandemia, o site da CAIXA já recebeu cerca de 272 milhões de acessos, o aplicativo específico do auxílio emergencial foi baixado 35 milhões de vezes e 33 milhões de cadastros já foram realizados.

Além disso, o banco está criando automaticamente uma Poupança Social Digital para que a população que não tem conta bancária tenha acesso ao auxílio. Esta conta digital será utilizada por cerca de 40% dos 33 milhões de usuários que já se cadastraram.

“Os números mostram a capacidade de superação da CAIXA. Temos um banco de 158 anos que já superou diversos desafios ao longo da sua história e o atual momento, com certeza, é um desses maiores desafios. Não à toa, a CAIXA o maior banco público do Brasil e um dos maiores do mundo. E ela se mantém pública e sustentável graças à luta das entidades e dos movimentos dos empregados”, destacou a representante dos trabalhadores no Conselho de Administração do banco, Rita Serrano.

Diante da crise, o papel social da CAIXA também se reforça por meio de outras ações. Além do pagamento do auxílio emergencial, o banco anunciou outras ações que passam por linhas de crédito, redução de juros, adiamento de parcelas habitacionais, entre outras.

Sendo assim, hoje o que se vê são elogios à CAIXA por parte de economistas, dos meios de comunicação e até mesmo da revista Forbes, que destacou o trabalho do banco.

“O trabalho de empregadas e empregados, nas agências e em outros setores do banco, se mostra fundamental para que o país amenize os efeitos da atual crise. Agradecemos a todos bancários e bancárias que se encontram na linha de frente para atender a população e garantir que as medidas de auxílio cheguem a quem mais precisa. A CAIXA é essencial para o Brasil e isso fica ainda mais claro em períodos como o que estamos vivendo. Viva a CAIXA 100% pública e viva a categoria bancária”, afirmou a presidenta do Sindicato de Belo Horizonte, Eliana Brasil.

MEDIDAS DE PROTEÇÃO NO ATENDIMENTO

Mesmo com os avanços já conquistados, empregadas e empregados reivindicam ações mais contundentes de proteção à saúde dos trabalhadores, clientes e usuários da CAIXA durante a pandemia. Sendo assim, é necessário impedir as aglomerações para que o trabalho essencial possa ser prestado à população.

Entre as demandas, estão a ampliação das campanhas de mídia para orientar a população a não se deslocar para as agências, utilizando os outros canais do banco sempre que possível. Segundo a CAIXA, após cobrança dos trabalhadores, estas campanhas devem ser intensificadas nas rádios, tvs e até mesmo com a utilização de carros de som em alguns locais.

Outras medidas cobradas passam pelo controle da qualidade dos equipamentos de proteção individual (EPIs) oferecidos aos empregados, manutenção dos sistemas de refrigeração e ventilação das agências, a possibilidade de agendamento por telefone e virtual, assim como a contratação de empresas de segurança para organizar as filas caso as aglomerações persistam.

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região com CA Rita Serrano

TAGS: #Bancos Públicos