icon-emailicon-facebookicon-instagramicon-nexticon-playicon-previcon-twitter
Fetrafi-MG CUT Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro

NOTÍCIAS

11/03/2019
Mulheres ganham 17,8% a menos no setor bancário

A mulher bancária recebe em média 17,8% menos que o seu correspondente masculino no Brasil. Enquanto eles foram contratados com salário médio de R$ 5.346,85, elas foram admitidas recebendo apenas R$ 4.428,48. No momento da demissão, a diferença salarial é ainda maior, chegando a 21%. Para os homens, a média salarial foi de R$ 7.038,00, enquanto elas eram desligadas recebendo R$ 5.559,69.

Os dados, divulgados na sexta-feira 8, Dia Internacional da Mulher, fazem parte de um levantamento realizado pela subseção do Dieese na Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), que considerou os salários recebidos por 1.089 mulheres e 1.359 homens admitidos em janeiro deste ano, e outras 1.189 mulheres e 1.253 homens demitidos no mesmo período.

Para a presidenta da Contraf-CUT, Juvandia Moreira, os números atestam a discriminação de gênero no setor. "Esse é um dado verificado em toda a sociedade e em empresas de todos os segmentos econômicos. As mulheres recebem menos do que os homens, mesmo tendo a mesma função e cumprindo as mesmas tarefas." O agravante, no setor bancário, segundo ela, é que as mulheres costumam ter formação superior, mas ainda assim, os melhores cargos e salários ficam com os homens.

Entre os cinco maiores bancos do país, o espaço ocupado pelas mulheres nos cargos de direção é extremamente reduzido. Na direção da Caixa, elas são apenas 2,7%. No Banco do Brasil, 4,84%. No Bradesco, elas ocupam 5,15% dos postos mais altos. No Itaú, esse número chega a 12,7%. O Santander alcança números mais elevados (20,20%), mais ainda longe da paridade


MULHER GANHA 20% A MENOS, MAS DIFERENÇA PODE SER AINDA MAIOR
A diferença salarial entre homens e mulheres era de 20,5% no ano passado, em média, mas conforme a área pode ser ainda maior, mostra levantamento realizado pelo IBGE, em referência ao Dia Internacional da Mulher. Em 2018, as mulheres ocupadas na faixa entre 25 e 49 anos recebiam R$ 2.050, enquanto eles, no mesmo grupo, ganhavam R$ 2.579. Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua e foram divulgados na sexta-feira 8.

Considerando o valor médio por hora trabalhada, elas recebiam R$ 13 e eles, R$ 14,20, ou 91% do rendimento dos homens. A diferença aumenta quando se calcula a jornada média de cada um: 42,7 horas semanais para os homens e 37,9 horas para as mulheres, o que não inclui as tarefas domésticas, muito mais comuns para a mão de obra feminina.

As mulheres representam quase metade dos ocupados, mas a participação é bem maior em alguns setores, como o de serviços domésticos, em que elas representam 95% dos ocupados. Elas também são maioria entre professores do ensino fundamental (84%), serviços de limpeza (74,9%) e centrais de atendimento (72,2%). Em áreas de comando, como diretores e gerentes, as mulheres são 41,8%, com salário correspondente a 71,3% dos homens. Elas somam 63% entre os chamados profissionais das ciências e intelectuais, mas ganham apenas 64,8% em relação ao recebido pelos colegas do sexo masculino.

Mesmo profissões que exigem maior nível de instrução mostram desigualdade. Entre professores do ensino fundamental, por exemplo, as mulheres recebiam o equivalente a 90,5% do ganho dos homens. Entre docentes do ensino superior, a proporção era de 82,6%. Em ocupações definidas pelo IBGE como médicos especialistas e advogados, essas proporções eram de 71,8% e 72,6%, respectivamente.

O grupo com menor desigualdade é o que inclui membros das Forças Armadas, bombeiros e policiais. As mulheres ganham até um pouco mais, com rendimento equivalente a 100,7% do recebido pelo homens.

A pesquisa reforça que a desigualdade é ainda maior entre trabalhadores de cor preta ou parda (classificação usada pelo IBGE). Eles recebiam, em média, 60% do valor dos trabalhadores de cor branca. A proporção do rendimento médio da mulher branca em relação ao homem branco era de 76,2%, enquanto a verificada entre mulheres e homens pretos ou pardos estava em 80,1%. "Essa desigualdade menor entre rendimentos de pretos e pardos pode estar relacionada ao fato dessa população ter maior participação em ocupações que frequentemente são remunerados pelo salário mínimo. Esse comportamento foi observado em toda a série histórica", diz o instituto.

Mais mulheres no mercado de trabalho têm ensino superior: eram 22,8% das ocupadas com essa escolaridade. Entre os homens, 18,4%.

TAGS: #Direitos