icon-emailicon-facebookicon-instagramicon-nexticon-playicon-previcon-twitter
Fetrafi-MG CUT Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro

NOTÍCIAS

14/12/2021
CAIXA APRESENTA NOVA PROPOSTA PARA PROMOÇÃO POR MÉRITO, MAS MANTÉM IMPOSIÇÃO DA GDP

Em reunião do GT (Grupo de Trabalho) Promoção por Mérito, realizada na última semana, a Caixa apresentou uma nova proposta que amplia o número de empregados aptos a receberem o primeiro delta.

No entanto, manteve a imposição da GDP (Gestão de Desempenho de Pessoas) como critério absoluto para avaliação. A proposta será discutida entre os representantes dos trabalhadores na CEE (Comissão Executiva de Empregados) antes de uma nova reunião com o banco.

Na proposta anterior, o primeiro delta seria concedido aos empregados enquadrados no “Desempenho Superior” e “Desempenho Excelente” (cerca de 62% dos empregados). O segundo delta, para quem apresentar “Desempenho Excelente”. Agora a Caixa ampliou a distribuição do primeiro delta para empregados a partir do “Baixo Desempenho”, mantendo o segundo delta somente para quem alcançar “Desempenho Excelente”.

“Embora a proposta amplie a concessão do primeiro delta para mais empregados, o banco ainda quer utilizar exclusivamente a GDP para a Promoção por Mérito. A representação dos empregados estava disposta, inclusive, a discutir a utilização dos critérios objetivos da GDP para distribuição do segundo delta. Com isso vamos levar a discussão à Comissão Executiva de Empregados”, informou o coordenador da representação dos empregados no GT, João Paulo Pierozan.

O presidente da Fenae (Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal), Sergio Takemoto, criticou a insistência da Caixa em impor a medida. “A GDP é subjetiva, sem uniformidade, criada somente com objetivo de vendas. A consequência é a sobrecarga de trabalho e o assédio institucional na cobrança de metas. Enquanto o banco pressiona por lucro, o papel social fica em segundo plano”, disse Takemoto.

Já a proposta dos representantes dos empregados do GT considera parâmetros como frequência, cursos da Universidade Caixa e pontos extras para quem tiver o PCMSO (Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional).

VEJA A PROPOSTA DOS REPRESENTANTES DOS EMPREGADOS:

Distribuição de 1,1 delta por empregado:
– Frequência, valendo 20 pontos;
– Curso da Universidade Caixa, valendo 20 pontos (podendo ser realizado até 28/02/2021);
– Pontuação extra: 5 pontos para quem tiver o Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO) válido em 31/12/2020;
– Pontuação extra: Ações de autodesenvolvimento, com 2 pontos por curso registrado no currículo;
(A pontuação extra teria limite de 10 pontos)
O empregado que alcançasse 35 pontos nesta sistemática receberia um delta. O segundo delta seria distribuído às maiores notas da unidade, até se esgotar o limitador de 1,1 delta.

Fonte: Fenae

TAGS: #Caixa Econômica