icon-emailicon-facebookicon-instagramicon-nexticon-playicon-previcon-twitter
Fetrafi-MG CUT Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro

NOTÍCIAS

22/09/2020
INVESTIGAÇÃO REVELA QUE 5 BANCOS MOVIMENTARAM R$ 11 TRILHÕES EM TRANSAÇÕES SUSPEITAS

Em uma nova denúncia publicada neste domingo (20/09), o Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ) demonstrou que cinco grandes bancos globais fizeram cerca de US$ 2 trilhões [o equivalente a R$ 11 trilhões] em transações suspeitas com fraudadores, mafiosos e criminosos internacionais.

HSBC, JP Morgan, Deutsche Bank, Bank of New York Mellon e Standard Chartered teriam feito essas movimentações entre os anos de 1999 e 2017, mesmo após terem fechado acordos com as autoridades dos Estados Unidos para combater esse tipo de prática e de terem sido alertados pelo Departamento de Tesouro de que seriam multados se continuassem com as transações.

As acusações se basearam em documentos obtidos da Rede de Combate a Crimes Financeiros do Departamento do Tesouro, a FinCen, que tem como principal missão investigar ações suspeitas e no combate à lavagem de dinheiro. Foram mais de 2,1 mil documentos analisados.

As negociações foram feitas em diversos países, como Venezuela e Ucrânia e ajudaram pessoas condenadas ou investigadas por crimes diversos.

O JP Morgan, segundo os "FinCen Files", movimentou "mais de US$ 1 bilhão para um financista fugitivo que protagonizou o escândalo do fundo de investimento estatal 1MDB na Malásia". A crise está em sua fase final de julgamento no país, tendo levado o ex-premier Najib Razak a ser condenado no primeiro dos cinco processos ligados ao caso.

Também foram transacionados pelo banco cerca de US$ 2 milhões de um magnata que enganou o governo da Venezuela e ajudou a causar apagões de energia no país.

Além disso, o JP Morgan processou cerca de US$ 50 milhões em pagamentos para Paul Manafort, ex-diretor da campanha eleitoral de Donald Trump. O advogado já foi condenado em dois processos por conspiração, obstrução de justiça, fraude fiscal e fraude bancária a mais de sete anos de prisão.

O JP Morgan informou que não poderia comentar o caso porque está "legalmente proibido" de discutir esse tipo de caso. O HSBC disse que as informações "são "históricas e anteriores" ao acordo firmado com as autoridades norte-americanas. O Deutsche Bank e o Standard Chartered não responderam as perguntas do ICIJ.

Já o NY Mellon informou que "leva a sério seu papel de proteger a integridade do sistema financeiro global" e negou as acusações.

A FinCen respondeu aos questionamentos da reportagem do ICIJ, mas informou que não pode comentar "a existência ou inexistência" dos relatórios de atividades suspeitas.

No entanto, o efeito das denúncias já foi sentido no mercado de ações asiático, que fechou com baixa generalizada - também pela informação de que o governo chinês pode adicionar o HSBC em uma lista de empresas não confiáveis.

Os papéis do HSBC e do Standard Chartered em Hong Kong tiveram as maiores quedas desde 1995, no caso do primeiro, e desde 2002, no caso do segundo.

Fonte: Brasil de Fato

TAGS: #Sistema financeiro